O ter e o ser

Quantas vezes atrelamos nossa felicidade ao ter? Cada vez mais, correto?

Ter é importante, o “Ter” traz junto com ele o usufruir, o comprovar ou provar para você mesmo ou para os outros.

Traz um sentimento muito bom de realização, de produção, de capacidade. O ser humano sempre buscou “Ter”, seja para sua subsistência, seja para acumulo de riqueza, seja pelo poder, seja pela segurança, sempre há motivo para ter e para ter mais. Não há nada de errado, em absoluto em querer ter, em querer comprar, em querer conquistar.

Temos que querer sempre algo melhor, não podemos nos acomodar. Devemos querer ter experiências novas, coisas novas e melhores. Há um prazer em sonhar, em lutar, em conquistar, em usufruir e em querem mais.

Quando nos dizem que o que importa é a jornada, não o caminho, é em minha opinião a união entre estes verbos que mencionei: Sonhar, querer, lutar, conquistar e usufruir. Não está apenas no usufruir. Chega uma hora que o usufruir perde força e vem um vazio, vira comum.

O ter não é apenas material e mensurável é também espiritual, sentimental, familiar. Ter uma família, ter valores legítimos, ter uma reputação, ter amigos verdadeiros, ter um grande amor, ter uma familia que amo que que me ame. Aí vem uma diferença do que muito se fala e se pensa. Existem metas para estes aspectos também. É possível você sonhar, lutar, conquistar e usufruir cada um destes aspectos que mencionei.

O delicioso da vida é que tem que ser incansável até o fim. Lutamos por mais e mais, por termos mais materialmente ou não, mas ao lutar nos passamos a ser.

Tem muita gente que critica as pessoas que estão constantemente buscando a felicidade. É o povo que pensa que a felicidade está no usufruir apenas. O povo que pensa que quando encontrar a esposa(o) ou comprar o carro ou comprar a casa, que aí será feliz.

A verdade é que será, mas pelo tempo suficiente para que se acostume com aquilo, depois, se não sonhar novamente, vem a frustração.
Muita gente fica pulando de um lado para o outro e não é feliz. Em minha opinião não é porque a felicidade não estava naquilo que ela conquistou, mas ela não sabia se era aquilo que ela queria.

Novamente vem para o momento de cuidarmos de nós mesmos, de nos analisarmos, de nos conhecermos e sabermos o que nos faz bem e o que queremos para nós. A negligência em auto-conhecimento causa uma perda de tempo gigantesca.

O que precisamos sobretudo é evoluir meu amigo! A cada dia! É querer ter e ao passo que conquistamos passarmos a ser mais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *